Instalando os adicionais para convidado do Virtualbox no Solus

Antes de começar, se faz necessário saber qual a versão do kernel headers que você precisa instalar. Rode o comando abaixo para saber da versão de lançamento do seu kernel:

$ sudo uname -r

Caso sua versão seja lts, instale:

$ sudo eopkg install kernel-lts-headers

Se for current:

$ sudo eopkg install kernel-current-headers

Apois a instalação, reinicie sua máquina virtual!

Instalação dos pacotes necessários:

$ sudo eopkg upgrade

$ sudo eopkg install gcc make autoconf binutils xorg-server-devel

Reiniciar outra vez o sistema. (Em alguns caso pode haver atualização do kernel)

Inserir a imagem do CD dos adicionais para convidado no Virtualbox:

Abrir o terminal e executar:

sudo sh ‘/run/media/fnogueira/VBOXADDITIONS_5.1.28_117968/VBoxLinuxAdditions.run’

Pronto! Agora é só reiniciar a máquina virtual. 😉

Anúncios
Instalando os adicionais para convidado do Virtualbox no Solus

Instalando o Arch Linux (Parte II)

Depois de realizar a instalação básica do Archlinux, vamos pra segunda parte da instalação!

1 ) Adicionando repositório customizado

$ sudo nano /etc/pacman.conf

Adicionar no final do arquivo:

 [archlinuxfr]
 SigLevel = Never
 Server = http://repo.archlinux.fr/$arch

Salvar e sair! Ps.: Se quiser dar cores ao pacman, descomente a linha 34 (Color). Em seguida rodar o comando abaixo para atualizar a base de dados do repositório:

$ sudo pacman -Sy

2 ) Yaourt

$ sudo pacman -S yaourt rsync aurvote customizepkg

Caso não consiga achar um programa pelo pacman nos repositório oficial, se o mesmo estiver no AUR, basta utilizar o yaourt.

3 ) Placa de vídeo

Identificando a sua placa de vídeo:

$ lspci | grep VGA

De acordo com a saída do comando, efetue a instalação abaixo:

Controladora INTEL:

$ sudo pacman -S xf86-video-intel

Controladora ATI:

$ sudo pacman -S xf86-video-ati

NVIDIA

$ sudo pacman -S xf86-video-nouveau

4 ) Algumas instalações pré-gerenciador de janela

$ sudo pacman -S gdm networkmanager xorg xorg-server xorg-xinit

Em seguida, habilitar os serviços:

$ sudo systemctl enable gdm NetworkManager

Antes de partir pro próximo passo, caso esta instalação esteja sendo feita num notebook, é necessário instalar o synaptics:

$ sudo pacman -S xf86-input-synaptics

5 ) Gerenciador de janelas

Escolhe o que uso e que levanto a bandeira: GNOME. Mas esteja a vontade para escolher o de sua preferência: Xfce, Lxde, KDE, etc..

$ sudo pacman -S gnome gnome-extra

GNOME instalado! Para instalar uns extras:

$ sudo pacman -S firefox firefox-i18n-pt-br vlc pkgstats bash-completion

Pronto! Agora é só reiniciar…

Agora é só curtir o seu Arch Linux!

( To be continued… )

Instalando o Arch Linux (Parte II)

Instalando o Arch Linux

Existem inúmeros sites, em diversos idiomas explicando como instalar o Arch Linux. Resolvi criar essa publicação de uma forma mais simples possível, para servir de base para posteriores atualizações e também colaborar de alguma forma na desmistificação deste procedimento. Então, vamos lá:

1) Carregar o teclado abnt2:

# loadkeys br-abnt2

2) Criação e configuração das partições do sistema:

(Neste ambiente, utilizarei um disco virtual de 12 Gb – 2Gb Swap + 10Gb pro sistema)

Obs.: Por se tratar de uma partição simples, num sistema virtual, utilizei o DOS ao invés do GPT.

 

3) Identificando as partições

# lsblk
A partição swap: /dev/sda1 e /dev/sda2 para o restante do sistema.

 

4) Formatar e ativar as partições

4.1) Formatando e ativando a partição swap:

# mkswap /dev/sda1
# swapon /dev/sda1

4.2) Formatando e montado a partição do sistema:

# mkfs.ext4 /dev/sda2
# mount /dev/sda2 /mnt

5) Instalar os pacotes BASE e BASE-DEVEL

# pacstrap -i /mnt base base-devel

Obs.: Aceitar as opções Default e proceder com a instalação.

6) Gerar o arquivo fstab

# genfstab -U -p /mnt >> /mnt/etc/fstab

Após rodar o comando acima, verifique se foi gerado o arquivo corretamente, executando:

# cat /mnt/etc/fstab

7) Alterar a raiz para o novo sistema

# arch-chroot /mnt /bin/bash

Agora sim vai começar a se formar um novo sistema. 😉

8) Vamos deixar o sistema em Português do Brasil

# nano /etc/locale.gen

Ao editar o arquivo, utilizando o Ctrl + W para pesquisar pt_BR e descomentar esta linha (pt_BR.UTF-8 UTF-8):

Ctrl + X para salvar e sair do arquivo.

Em seguida, executar:

locale-gen && export LANG=pt_BR.UTF-8
echo LANG=pt_BR.UTF-8 >> /etc/locale.conf
echo KEYMAP=br-abnt2 >> /etc/vconsole.conf

9) Adicionando um usuário e definindo sua senha

# useradd -m -g users -G wheel -s /bin/bash dotconfig
# passwd dotconfig

Usuário dotconfig criado e sua senha definida! Aproveita para criar uma senha pra o usuário root:

# passwd

10) Privilégios de root

Depois de ter criado o usuário dotconfig, agora é hora de dar privilégios de root ao mesmo. Este usuário, no comando da criação, foi adicionado ao grupo wheel (grupo de usuários com super poderes 😉 ), agora tem que descomentar no arquivo sudoers:

# EDITOR=nano visudo

Provavelmente na linha 82, você descomenta, deixando a mesma desta forma:

11) Fuso horário

# ln -sf /usr/share/zoneinfo/America/Bahia /etc/localtime
# hwclock --systohc --utc

12) Definindo o nome da máquina

# echo maquina_virtual > /etc/hostname

13) Ambiente Ramdisk Inicial

# mkinitcpio -p linux

14) Bootloader

pacman -S grub
Caso a instalação seja feita num notebook, para utilizar a rede sem fios, já instalar os seguintes pacotes: dialog, wireless_tools, wpa_supplicant e wpa_actiond.

 

# grub-install --target=i386-pc --recheck /dev/sda
Caso queira fazer o um dual-boot, instale o pacote os-prober antes de rodar o comando abaixo:

 

# grub-mkconfig -o /boot/grub/grub.cfg

15) Finalizando a instalação

# systemctl enable dhcpcd
Habilitando a rede ao iniciar o sistema

# exit
# umount -R /mnt && reboot

Pronto! Sua instalação básica foi concluída com sucesso!

Continue a sua instalação acessando: Instalando o Arch Linux – Parte II

Instalando o Arch Linux

Oh my ZSH Shell no Arch Linux

Oh My Zsh é um framework de código aberto, voltado para a comunidade que gerencia as configurações do ZSH Shell. Ele vem com inúmeras funções úteis, plug-ins, temas e algumas coisas que farão você gritar:

“OH MY ZSH!”

 

Vamos ao que interessa… Pra começar, instale o ZSH Shell:

$ sudo pacman -S zsh

Agora é hora de baixar e instalar o Oh My Zsh:

$ sh -c "$(wget https://raw.github.com/robbyrussell/oh-my-zsh/master/tools/install.sh -O -)"

Depois de instalado, vamos baixar as fontes. Sem as mesmas, o shell não é exibido corretamente:

$ git clone https://github.com/powerline/fonts.git

Acesse a pasta ‘fonts’ baixada e execute:

$ ./install.sh

Pronto! Agora é só editar o arquivo .zshrc no home do usuário e escolher o seu tema preferido editando a linha:

ZSH_THEME="agnoster"

No exemplo de tema acima, usei o meu tema preferido!  E o resultado…

 

ZSH Shell

Oh my ZSH Shell no Arch Linux

Olá, The Void (Linux)!

voidlogo

Gostaria de apresentar uma distribuição Linux que estou começando a conhecer e aprendendo a gostar: Void (Linux) – Um sistema operacional de uso geral com base no Kernel Linux monolítico. Ela é fornecida em pacotes binários ou pode ser construída diretamente de fontes com a ajuda da coleção de pacotes fonte XBPS. Atualmente existem mais de 5000 pacotes binários otimizados para os x86, x86_64, ARMv6, arquiteturas ARMv7; Também suporte para construir facilmente (nativamente ou compilação cruzada) a partir de fontes de qualquer pacote que esteja disponível na coleção de pacotes fonte XBPS.

O Void (Linux) não é um Fork! Ela é uma distribuição independente, inteiramente desenvolvida por voluntários. Ao contrário de trilhões de outras distribuições existentes, não é uma modificação de uma distribuição já existente, o seu gerenciador de pacotes e sistema de construção foi escrito a partir do zero.

Outro grande detalhe, ela é Rolling Release, ou seja, sempre atualizada ao invés de atualizações periódicas. Para quem trabalha com traduções, etc… é uma verdadeira mão na roda!

Mas que diabo é XBPS? XBPS é o gerenciador nativo de pacotes do sistema, escrito do zero sob licença BSD. Ele instala, atualiza e remove programas rapidamente, além de dispor de detecção de bibliotecas compartilhadas incompatíveis e dependências durante a atualização ou remoção de pacotes (entre outros).

Para experimentar, existem algumas lives instaláveis (nos sabores: Xfce, LXDE, MATE, Enlightenment e Cinnamon) que você pode baixar através do link: http://repo.voidlinux.eu/live/current/

Em breve, postarei o passo a passo da instalação crua mais o GNOME última versão. 😉 Até lá…

Olá, The Void (Linux)!